Nessas férias, eu resolvi fazer algo de diferente. Se você, como eu, além dos bons drink, também tem como passatempo preferido ficar à sombra de uma árvore e sentir o vento fresco enquanto ouve o mar, inclua Paraty no seu próximo roteiro de férias.

As belezas naturais que encontrei por lá são de cair o queixo mesmo daqueles que são excessivamente apegados pelo urbano, e passear pelo Centro Histórico é um capítulo à parte.  São 31 quarteirões compostos por casarões do século 18, igrejas que são relíquias e praças onde o papo acontece até altas horas, tudo isso abraçado ao clima de estar participando da novela de época que torcemos para reprisar na TV

Outra parte curiosa do Centro Histórico é o calçamento das ruas. Como é feito com pedras irregulares, andar de salto não combina. No início, é até um pouco difícil andar sem passar boa parte do tempo olhando para o chão, mas depois a gente adquire certa habilidade. 

Mais chato do que prestar atenção aonde devemos pisar, é ficar preocupado com o que estamos vestindo em dia de diversão. Quem nunca sofreu com uma escolha errada? Eu, já. E muitas vezes! Para não me sentir desconfortável usei vestido com inspiração militar Mercatto, lenço da Rua 25 de março,  anel ASOS, óculos Dorothy Perkins e chinelos. 

Também usei blusa gola V Marisa, blusa de manga longa (as pontas dela são superalongadoras de silhueta!) comprada no Extra (isso mesmo, o hipermercado), saia (♥ cintura alta ♥) Mercatto  e os bons e velhos chinelos.  

Uma dívida: o look que usei à noite. Falando nisso, a noite de Paraty é uma delícia! Escolha um restaurante com música ao vivo e à luz de velas, são os mais charmosos.  

Na última foto, estou usando o brinco feito de capim dourado que comprei durante a viagem. Para quem não sabe, o capim dourado é uma preciosidade que nasce na região do Jalapão/TO.